terça-feira, 7 de abril de 2015

Lei americana proíbe o contato com seres e naves extraterrestres

Lei americana proíbe o contato com seres e naves extraterrestres

Lei americana proíbe o contato com seres e naves extraterrestres
Os relatos sobre contato e avistamento de naves espaciais e seres extraterrestres são inúmeros e espalhados por todas as partes do mundo. Desde 1947, quando essas histórias começaram a aparecer com maior frequência e consistência, nenhum governo assumiu a existencia de seres de outros planetas.       Entretanto, algumas histórias curiosas e intrigantes aparecem de tempos em tempos. Elas são contadas por oficiais que afirmam existir conhecimento de vida em outros planeta.
Um dos casos mais recentes e famosos é o do ex-ministro da defesa  canadense Paul Hellyer (1923) que afirmou publicamente nos Estados Unidos ter conhecimento da existência de 4 raças de alienígenas convivendo entre nós. Ele também disse que extraterrestres vêm visitando o nosso planeta e têm contribuído para o desenvolvimento de diversas tecnologias. O ex-ministro ainda afirmou que precisamos ficar abertos para contatos com alienígenas e que eles poderiam nos ajudar a resolver problemas como o aquecimento global, pois possuem tecnologias diferentes e superiores das nossas. Muitas de suas falas foram desacreditas como loucura e por serem inconsistentes.
Paul Hellyer
Talvez Paul Hellyer esteja fantasiando, mas o fato é que a preocupação de governos com a questão extraterrestre é uma constante. Curiosamente, nem sempre as pesquisas e experimentos em relação ao assunto são feitas de forma escondida. Em 2010 por exemplo, na cidade de Denver no Colorado, a população iniciou uma petição pública com mais de 4.000 assinaturas para pedir que a cidade implementasse uma comissão de pesquisas extraterrestres. A ideia era decidir se um grupo formado por cientistas, ufólogos, astrônomos, entre outros, deveria estabelecer uma comissão para proteger os habitantes da cidade de encontros com esses seres. Segundo o ufólogo Jeff Peckman, o qual trabalhou para reunir as assinaturas, a existência de seres extraterrestres é uma fato que o governo federal tenta esconder da população para não causar alarde. A intenção de Peckman era proteger a população de Denver dessa atitude desleal do governo federal, mas a ideia não foi pra frente.
Antes mesmo do caso da cidade de Denver, em 1969 o governo norte – americano criou a “Lei da Exposição Extraterrestre”, a qual proíbe cidadãos do país de manterem contato com extraterrestres. Curiosa essa lei, não é mesmo? Se o governo afirma que extraterrestres não existem, então por qual motivo estão preocupados com um suposto contato da população com esses seres? Existe até mesmo um item que destaca a proibição para contato com naves espaciais. A multa para aqueles que desafiarem as regras pode chegar a até 5.000,00 dólares e o cidadão pode ser preso por isso. Ainda assim, com uma breve pesquisa é possível perceber que muitas pessoas desafiam as normas, pois os relatos de contatos com alienígenas não deixaram de acontecer e são publicados em formas de livros e vídeos.
bactérias e organismo do espaço
Quando questionados, os representantes do governo afirmaram que um suposto contato poderia causar graves danos à humanidade, pois bactérias e outros organismos desconhecidos se em contato com o nosso planeta poderiam  acabar com a vida por aqui. Mas, o que mais intriga nessa lei é o fato dela ter sido aprovada no mesmo dia do lançamento da missão da Apolo 11, a qual teria supostamente chegado até a lua. Estariam os políticos preocupados com o que poderia ser encontrado no espaço? ou Seria essa uma manobra para enganar a população e corroborar com a história de que os seres humanos chegaram até a lua?
De qualquer maneira esse pode ser encarado como mais um capítulo curioso da nossa relação com a vida extraterrestre e sobre como interpretamos esses acontecimentos. A lei ineficaz também demonstra que se for para acontecer esses contatos nada irá impedir homens e mulheres de se comunicarem com outros seres e planetas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário