domingo, 26 de abril de 2015

100 esferas do tamanho de Júpiter e Netuno entraram no sistema solar nos últimos 2 anos"

David Wilcock - "100 esferas do tamanho de Júpiter e Netuno entraram no sistema solar nos últimos 2 anos"



Cem ( 100 ) esferas do tamanho de Netuno ou Júpiter entraram em nosso sistema solar nos últimos 2-3 anos. Muitas outras do tamanho de nossa Lua entraram entre 1999 e 2001. David Wilcock

A parte negativa do Pentágono e o grupo cabal ficaram enormemente animados e encorajados com esta noticia, achando que era o retorno de seus deuses sumerianos Anunnakis. No entanto as esferas se colocaram em / e permaneceram invisíveis e não responderam a qualquer forma de comunicação do grupo cabal (iluminattis).

O grupo cabal utilizou então um armamento extremamente avançado tecnologicamente para atacar uma das esferas, uma das do tamanho da Lua. A esfera acendeu, inflamou, tornando-se um ponto vermelho no espaço (significantemente menor do que a Lua obviamente por estar muito mais longe) e redirecionou o raio de volta a base do grupo cabal de onde este “raio” partiu, matando dezenas de membros das equipes operacionais dessa base.

Desde aquele momento foi determinado pelos Seres destas esferas proibição para qualquer tipo de vôo em volta da Terra e uma quarentena no Sistema Solar. Ninguém sai. Ninguém entra. Incluindo comunicações. Isto incluiria os grupos ETs positivos – as Confederações e Federações e etc. – sendo assim, seriam então um novo grupo extremamente avançado.

O grupo que apareceu das esferas foi chamado de “BLUE AVIAN” [Aves Azuis, em tradução literal]. Os seres destas esferas (Sphere Beings) como o grupo todo foi chamado – são na verdade, até onde sabemos quatro grupos. Até agora 2 grupos foram apresentados, este o primeiro.


Por mais tolo que isso possa parecer, eles medem quase 3m de altura são humanoides com características das aves, derivados das aves, com a cabeça de pássaro e brilhantes penas azul-índigo. Eles têm as mãos e os pés de aparência normal. A cabeça é uma sinergia entre aves e humanos. Existem outros tipos de aves em outros sistemas solares também. Não é comum, mas ocorre.

The Hopis have an engaging legend about being rescued by “bird people.” Then you have the very clear Egyptian paintings. Then you have the “Tengu,” or bird-men that were seen in Japan.

Os índios Hopis possuem lendas sobre o “Povo Pássaro” que vieram ajudá-los. Temos claramente as pinturas egípcias retratando o Deus do Sol RA (cabeça de ave). Temos o “TENGU”, os homens-pássaros que fazem parte das lendas míticas japonesas.


[ Entre os ETs temos – entre inúmeros outros grupos – os fisicamente parecidos com humanos – o tipo mais comum em nossa galáxia – os fisicamente parecidos com insetos, os insectoides, com mamíferos propriamente ditos, com aves, do mar, etc. Teríamos também as variações e misturas.]

O informante (GoodETxSG) participou da reunião, depois soube que a sua presença foi solicitada pelos Aves Azuis. GoodETxSG foi informado que eles – os Azuis – não fizeram NENHUM tipo de contato com o grupo cabal.

Outras fontes que tenho, afirmaram que os Blue Avians estão se aproximando do centro do sistema solar e isso está gerando pânico e grande preocupação por parte dos illuminatis/cabala escura. Eu não faço ideia se poderemos ter a chance de ver fisicamente esses seres (Blue Avians). Esse grupo age completamente nos bastidores, isso é uma grande aprendizagem para todos nós no sentido de entender a complexa e gigantesca variedades de seres e raças que existem no cosmo.

De acordo com GoodETxSG, os Blue Avians afirmaram que tais esferas NÃO SÃO suas naves, pois eles não precisam mais de “naves” para se deslocar no cosmo. Os Blue Avians explicaram que o motivo da entrada dessas gigantescas esferas no sistema solar foi para proteger/aliviar a nossa estrela (Sol) do “tsunami” de tempestades de energias altamente carregadas e vibracionais vindos do centro da galáxia. Sem essa proteção o nosso Sol iria desestabilizar gerando gigantescas e poderosas tempestades magnéticas causando grandes cataclismas na Terra.

Afirmaram para a necessidade da população começar a ter uma dieta de frequência vibratória maior (muitas frutas, verduras e legumes).

Os Azuis solicitaram que GoodETxSG trouxesse toda a informação a público, também disseram que um dos 5 principais grupos do PES – Programa Espacial Secreto, grupo este denominado Solar Warden aliou-se a eles e que estariam trabalhando para a libertação do planeta. Também afirmaram que muitos dentro do grupo cabal estão desertando para a Aliança e que o grupo cabal estaria buscando a violência como desespero e isto não seria tolerado.

O objetivo dos Azuis na Terra seria – segundo eles próprios – garantir que os ciclos de guerra, fome, dor e medo não continuem; querem – segundo eles próprios – que a nossa sociedade se transforme numa sociedade de paz e amor. E que esta transição seja a mais suave possível.

Eles, os Azuis, afirmaram em um determinado momento que não são salvadores, estão aqui somente para ajudar e que teríamos que fazer o ‘trabalho’ nós mesmos.

Os Azuis parecem ser como escreveu David Wilcock, como os RA que apresentaram o “The Law of One”. 

Wilcock disse: “A coisa mais estranha sobre os Azuis é que não necessitam de nenhuma tecnologia, simplesmente aparecem do nada. Sabíamos que Ra era um dos grupos gerenciando a transformação da Terra, mas nunca imaginamos que apareceriam assim”.

O Material de RA / The Ra Material (conhecido também como The Law of One / A Lei do Uno em edições subsequentes) é uma coleção de uma série de transcrições de mais de 100 sessões de autoria de uma entidade inteligente chamada Ra, que se autoproclamam um grupo de almas individuais em um nível maior de evolução espiritual, canalizados por Carla L. Rueckert (McCarty) no inicio de 1980. Apresentam comentários de descrições do dialogo entre Don Elkins and Ra, e foram publicados entre 982 e 1998 pela Schiffer Books. Os editores atribuem a autoria dos textos a Don Elkins, Jim McCarty, and Carla L. Rueckert. O material alega também que Ra é um ser de origem extra-terrestre e que Ra uma vez visitou o antigo Egito e ajudou na construção das pirâmides.    

Veja mais Aqui e Aqui

Veja a mensagem do Ashtar em sincronia com esse artigo Aqui
  
Veja mais David Wilcock Aqui e Aqui

domingo, 19 de abril de 2015

ATLANTEAN GARDENS




Friday, April 18, 2014

Legendary Pre-Flood Civilizations

The legendary pre-Flood civilizations like Atlantis, Thule, and Hyperborea were said to have been built on highly advanced science and technology, with a possibly direct connection with what is happening now around the world.

Sir Francis Bacon, a key leader in the Rosicrucians which later became known as the Illuminati, planned for America to become the “New Atlantis” and the center of the New World Order about a hundred years before America became a nation. To better understand the occult connections between antediluvian civilizations, such as Atlantis or Thule, and modern times, it becomes necessary to review the accounts of those who supposedly established these civilizations.

In the pre-Flood world of Noah, it is written that there was interspecies breeding going on between the “sons of God,” or the B’nai Elohim and mortal human women. The ancient rabbinic scholars believed that the term “sons of God” specifically referred to fallen angels and this was in fact the teaching of the early church for several hundred years.
The offspring of these fallen angels procreating with human women where called the Nephilim. Much of these stories have been effectively suppressed for centuries and banned from inclusion in later versions of the Bible, but have been recently re-discovered; for example in passages fromThe Book of Enoch.
There are numerous other universal mythologies of pre-Flood civilizations that speak of these god men coming from the stars and seeding the human race.

In addition, traditional theories of evolution are starting to be replaced by a "new" understanding that the humanity on Earth was likely seeded by beings from other worlds.

Anomalies which may indicate highly advanced pre-Flood civilizations include the monolithic monuments that survived the Flood which ended the Pleistocene era, as well as massive architectural wonders such as the pyramids, Sphinx and the Incan and Mayan monuments. Many of these structures could only have been built with math and coordination belonging to a high civilization, and technology that is superior to that which was said to be available.
One of the forces supposedly used by certain groups in these pre-Flood times was a mysterious life energy, that the Nazis re-discovered, called the Vril force. The Vril force, the energy fields studied by Nicola Tesla, and what is now called scalar technology are based on similar theories deriving from quantum mechanics.

Scalar Technology is based on the theory that there is a fourth dimension where powerful energies for destruction or healing on a planetary level can be transferred into our three dimensional reality and change that reality.

The Nazi concept of a Vril force is based on the idea that a race of god men came from the stars in ships powered by this force and settled on the legendary island of Thule where they founded the civilization called Hyperborea.
Plato believed in the Egyptian legend of Atlantis and Herodotus spoke of the another Egyptian legend of the continent of Hyperborea in the far north. When an ice age supposedly destroyed Hyperborea, this race of god men migrated south and it may be they who created the empire of Atlantis in the Atlantic.
The secret occult societies that put Hitler into power were extremely interested in Antarctica beginning in the 1930s. The Vril and Thule societies diligently researched the ancient Tibetan, Indian, and Greek historic texts concerning pre-history.  They were conducting the type of archeology that the Indiana Jones movies were based on.

Documenting the cultural, linguistic, and genetic similarities of these legends with the Nordic legends of blonde haired blue eyed "gods", the occult societies that influenced NAZI ideology came to their conclusion that the Earth undergoes periodic global cataclysms, and that vast portions of the inner Earth is hollow and has been inhabited within for many millennia by another unknown branch of humanity.
Ultima Thule is supposed to have been the name of the capital city of the continent of Hyperborea, which was older than Atlantis. According to occult teachings, the Hyperboreans were the most highly technologically and socially advanced society that existed in the pre-Flood age.
When the Flood came the Hyperboreans used the large tunnels which penetrate through the Earth’s crust to permanently settle under the Himalayas.

According to some legends they named their new kingdom Agharta or Agharti and its capital city was Shamballah, which was the mythical paradise below the surface of the Earth.
There are many scientists and researchers who believe that the founders of Hyberborea, Atlantis, Thule and other ancient civilizations were beings from other planets.
There are also a growing number of Biblical scholars who believe that these 'aliens' did not come from other planets, but other dimensions, and that they were actually the fallen angels who mated with human women who produced the Nephilim. The Nazis believed that the Nordic-looking "gods" who came from the stars were a genetically distinct race from another world, had RH negative blood type, and did not "evolve" from apes in Africa.
The Nazis supposedly were aided by a group of attractive females with clairvoyant powers called the Vril Maidens who could channel scientific and technological information including rocket design and even how to build UFO-type flying machines.

The Vril Maidens were not only famous for their gifted psychic ability, but for wearing their hair long and never cutting it. They claimed that a planet around the Aldebaran star system was inhabited by a race of people similar to ourselves with a possible shared ancestry.
The entire Nazi secret energy and propulsion program went hand in hand with their understanding of alternative physics and their occult science of consciousness. Nazi scientists working on their most top secret programs relied on the occult Vril power, a form of usable free energy, genetic manipulation, and ancient occult meditation techniques. Unfortunately, much of this technology was later used for mind control, both by the Nazi war machine and the allied powers that defeated them.

Werner von Braun, the founder of America’s NASA space program, was an elite Nazi scientist who had advanced technology on propulsion and rocketry.
During Operation Paperclip, when America, in competition with Russia over Nazi scientists after World War II, smuggled in over 8,000 scientists. These scientists brought with them their occult practices and beliefs, along with the science which the US further developed for mind control (see MKULTRA).

In 1871, British novelist Edward Bulwer-Lytton, in The Coming Race, described a superior race called the Vril-ya, who lived underground and sustained themselves with the Vril force or psychokinetic energy. They may have been the descendants of the Hyperboreans, inhabitants of the island of Thule. The Hyperboreans supposedly harnessed the power of Vril to manipulate matter and energy, enabling them extended lifespans and existing in what some might regard as a god-like existance.
The German philosopher Friedrich Nietzsche (1844-1900) wrote of the Übermensch (Superman) in his work, Der Antichrist. Nietzsche wrote “Let us see ourselves for what we are. We are Hyperboreans. We know well enough how we are living off that track.”

When Nietzsche published “The Will to Power” he was speaking of the Vril force and spoke of “the herd,” meaning the ordinary people who live by laws imposed by the corrupt State. In contrast Nietzsche spoke of the supermen who tap into a supernatural divine force that raises them above the ordinary man.
http://atlanteangardens.blogspot.com.br/2014/04/legendary-pre-flood-civilizations.html

AGHARTA – UM REINO INTRA – TERRENO EM NOSSO PLANETA

Nota do blog: As entradas para o interior que estão em vermelho no mapa não foram colocadas pelo autor do meso, e portanto, não corresponde à informação orignal.
Segredos do Universo

AGHARTA – UM REINO INTRA – TERRENO EM NOSSO PLANETA

agharta
Dhy Stellar
Escrito por Dhy Stellar
AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA Shambhala 2

Agharta – Um Reino Intra-terreno em nosso Planeta

AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA shambhala9
É possível que a cada dia, sob a nossa existência diária, exista um mundo novo e desconhecido para nós. 
 
É espantoso, que, apesar de as coisas que foram ensinadas como verdadeiras, mais cedo ou mais tarde, revelarem-se falsas e alguns de nós continuam “presos” na velha ideia. A maioria de nós aceitou como verdadeiras as coisas que nós aprendemos em nossa formação, apenas porque todo mundo acredita nelas. 
AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA Agharta12
Em 2.300 milhas para além do Pólo Norte, haveria uma entrada para o interior da Terra. Aqui, de acordo com o almirante Richard E. Byrd, o primeiro homem a sobrevoar o Pólo Norte, viveria uma civilização mais evoluída do Homem. Aqueles que povoaram a Terra 100.000 anos atrás passaram a viver em subterrâneos, depois de uma guerra que aconteceu e incorreu na destruição da superfície da Terra, criando seus desertos.
AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA aghartha
Segredos do subterrâneo da cidade de Agartha.
 
No início de 1970, a Administração do Serviço de Ciência e Meio Ambiente (ESSA), que pertence ao Departamento de Comércio dos Estados Unidos, divulgou para a imprensa fotografias do Pólo Norte tiradas pelo satélite ESSA-7 em 23 de novembro de 1968. ma das fotografias mostrava o Pólo Norte coberto pela conhecida camada de nuvens; a outra, que mostrava a mesma zona sem nuvens, revelava um imenso buraco, onde deveria estar o Pólo.
 
A ESSA estava longe de suspeitar que suas fotos rotineiras de reconhecimento atmosférico fosse contribuir e despertar uma das controvérsias mais sensacionais a respeito da Terra Oca e dos Ovnis. 
Estas fotos reforçaram a crença do ufólogo  Ray Palmer e outros pesquisadores na Terra Oca, supostamente habitada por uma civilização superior desconhecida. Agora eles acreditavam ter realmente encontrado a porta de entrada para este universo. Estas especulações provocaram o renascimento de antigo debate sobre as viagens do famoso vice-almirante Richard E. Byrd aos pólos Norte e Sul. 
 
Segundo o pesquisador Amadeo Giannini, este aventureiro não teria sobrevoado os Pólos, em 1926 e em 1929, e sim viajado pelo interior destes imensos buracos que conduziriam ao centro da Terra. 
AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA terra oca 12
AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA Ray Palmer
Ray Palmer, fundamentando-se nestas pesquisas, afirma que Byrd teria transmitido pelo rádio do avião em que se encontrava, a mensagem de que estava vislumbrando não a neve usual, mas sim trechos de terra com montanhas, bosques, vegetais, lagos e rios, entre outros elementos. Pouco antes de morrer, ele teria dito que o planeta, na região do Pólo, era um universo encantado e celestial, repleto de mistérios. De acordo com algumas teses, ele estaria se referindo à mitológica Cidade de Agharta, centro de uma fantástica civilização.
 
Na revista Flying Saucers, de Junho de 1970, o editor e ufólogo Ray Palmer reproduziu as fotos do satélite ESSA-7 junto com um artigo em que ele abordava a questão dos Intraterrenos ou de uma civilização mais avançada do que a nossa desde há milhares de anos, bem conhecida  pelos lamas ou monges tibetanos.
 
O vice-almirante Richard E. Byrd da US NAVY foi um destemido aviador, pioneiro e explorador polar, que sobrevoou o Pólo Norte em 9 de maio de 1926, e dirigiu numerosas expedições à Antártida, incluindo um voo sobre o Pólo Sul em 29 de novembro de 1929. 
Entre 1946 e 1947, levou adiante a operação em grande escala chamada High Jump (Pulo Alto), durante a qual descobriu e cartografou 1390000 km2 de território antártico. 
 
As famosas expedições de Byrd entraram pela primeira vez na controvérsia da Terra Oca quando vários artigos e livros, especialmente Worlds Beyond The Poles (Mundos Além dos Pólos), de Amadeo Giannini, afirmavam que Byrd na realidade não voou por cima do pólo, mas sim dentro dos grandes buracos que levam ao interior da Terra.
 
 
Virgil Armstrong, ex-agente da CIA, descreve o universo subterrâneo fascinante, habitado por  seres humanos como nós só que lá são imortais, a atmosfera controlada, velocidades de deslocação de 3.000 quilômetros por hora, atlantes e lemuriens, voando sobre aeronaves que superam nossa tecnologia humana.
 
Uma foto recente do Pólo Norte, que a NASA tem sob custódia, e enviada por um dos satélites da Terra ressuscitaram muito o interesse dos geofísicos, e não apenas para eles. Nesta imagem, podemos ver facilmente na área do Pólo Norte magnético, uma área que não é coberta por gelo glacial, como seria normal. Num raio de cerca de 300 milhas, podemos ver a terra – e ainda bem fértil.
 
A imagem, se você não está falando de uma ilusão cósmica, seria louca o suficiente para ensandecer um cientista. E isto, porque até mesmo um estudante de ensino fundamental sabe que sob o gelo do Pólo Norte não existe nada mais do que a água, como foi confirmado por rotas de submarinos, que passam por essa área freqüentemente. 
AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA agharta
À esquerda, foto de satélite ESSA-7 de 1968 mostrando uma abertura no Pólo Norte, à direita foto da nave Apolo 11 de 1969 também mostra a mesma abertura.
 
 
E então, o que poderia ser a pegada de “terra” no coração de gelo no Ártico? A NASA perguntou. Para resolver o mistério, eles mandaram fazer uma nova bateria de fotografias de satélite, feitas desta vez após a outra rotação da Terra e de outro ângulo. Novamente, o buraco no polo e as manchas são teimosas em aparecer em frente ao Pólo Norte magnético. O primeiro pensamento foi de que se trata de um fenômeno magnético da natureza, como pode haver uma perturbação atmosférica devido a este mesmo campo eletromagnético.
 
 
Mas a hipótese era para afastar os pesquisadores da NASA no domínio dos campos electromagnéticos: “O efeito mais importante, as luzes do norte, manifestam-se em um jogo completamente diferente e luzes celestes aparecem de outra forma em uma foto via satélite. Claramente, a pista esta na terra,no solo e não no ar “, disse Robert Fishermann, chefe do Laboratório de Estudo do campo eletromagnético terrestre.” 
 
A hipótese Halley.   
 
Como era de se esperar, a imagem tinha revelado uma série de velhas e surpreendentes teorias. A primeira das teorias revelada foi a hipótese de Halley, o cientista que descobriu o cometa com o mesmo nome. Segundo esta teoria, em áreas do Pólo Norte e Pólo Sul há aberturas grandes que levam para dentro da Terra. Por outro lado, que a Terra estaria vazia por dentro e que seria possível para uma nova civilização humana se desenvolver naquele ambiente, talvez mais avançada do que a civilização da superfície superior.
A variante Byrd.  
AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA almirante byrd
Mas os geofísicos pareciam estar mais interessados em outra versão, cujas raízes estão em algum lugar em 1926. Precisamente, em maio desse ano, o almirante Richard E. Byrd se tornou o primeiro homem a voar sobre o Pólo Norte. Em uma entrevista que ele concedeu em 1947, Byrd afirmou que em 2.300 milhas (3.680 quilômetros) através e adentro do Pólo Norte encontrou uma área de clima muito quente, com vegetação e montanhas, lagos e rios. 
 
Richard E. Byrd, um famoso explorador, acima de qualquer suspeita, anotou muito precisamente suas impressões sobre o que ele achou nessa área em seu diário:
 
“As pessoas que vivem aqui se comunicam através de telepatia. Na verdade, eles não vivem na superfície. Debaixo da terra, alguns quilômetros de profundidade existe uma grande cidade com milhões de habitantes, uma cidade que é chamada de Agartha“.
 
Em janeiro de 1956, após dirigir outra expedição à Antártida, o vice-almirante Byrd manifestou que sua expedição havia explorado 3700 km além do Pólo Sul e, além disso, justo antes de sua morte, Byrd disse que a Terra além do Pólo era um continente encantado no céu, terra de mistério permanente. Essa terra, segundo outras teorias, era a legendária Cidade de Agartha, berço de uma fabulosa civilização perdida.
AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA terra 7
Para o ufólogo Ray Palmer e Amadeo Giannini, os comentários atribuídos ao vice-almirante Byrd confirmaria o que eles sempre suspeitaram: que a Terra tem uma forma estranha no Pólos, algo parecido a um “donut”, com uma depressão que forma um buraco gigante que passa através do eixo da Terra, de um pólo a outro. Dado que, por razões geográficas, é impossível voar 2750 km além do Pólo Norte e 3700 km além do Pólo Sul sem ver água. Parece lógico pensar que o vice-almirante Byrd deve ter voado dentro de enormes cavidades convexas dos pólos, dentro do Grande Enigma do interior da Terra e que, se tivesse seguido adiante, teria chegado na base secreta dos OVNI’s que pertencem à super-raça oculta, quem sabe a lendária Cidade de Agharta, que Byrd teria visto refletida no céu.
 
Um antigo agente da CIA confirma.
Estes arquivos de registro do diário de Byrd, foram publicados por Virgil Armstrong, ex-agente da CIA. Armstrong afirma que Byrd viveu em Agartha quase um mês e que ele descreve a civilização subterrânea como “sendo superior a nossa”.  
 
 
O ex-agente da CIA, acrescentou ainda que, imediatamente após a descoberta do seu Diário, as rotas sobre Agartha foram declaradas secretas pelos serviços norte-americanos que criaram bases militares a fim de não deixar quaisquer invasores descobrirem como chegar lá. Armstrong revelou também que o Governo dos E.U.A. estabeleceu relações com o Grande Conselho de Agartha. 
 
 Mais, que as aeronaves em vôo que aparecem no céu são meios de transporte para as pessoas de Agartha e outras cidades intraterrenas, e que uma parte da tecnologia de produção tem sido dada ao Pentágono, “o avião invisível, o Stealth, sendo um resultado desses saberes”.  
AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA agharta terra oca
O almirante Byrd recebeu a gratidão do Governo dos EUA.  
 
Almirante Richard E. Byrd nasceu em 25 de outubro de 1888 em Winchester, na Virgínia. Ele aprendeu a voar em aviões entre 1916-1917, em Pensacola. Em maio de 1926 ele se tornou o primeiro homem a sobrevoar o Pólo Norte, e em novembro de 1929, o primeiro homem a voar sobre o pólo sul. Entre 1928-1955 fez 11 expedições aos pólos geográficos. Em 19 de fevereiro de 1947 ele foi para o Pólo Norte para fotografar a aurora boreal. Vendo que ele não retornava à base, foi dado como desaparecido. Byrd voltou em 11 de março de 1947, vinte dias após sua partida,  e descreveu a “terra além do Pólo Norte-Agartha”.
 
Como uma coincidência, o Almirante Richard E. Byrd morreu exatamente 10 anos depois, em 11 de Março de 1957. Foi elevado ao posto de Almirante em 1950 e em 1952 recebeu a Medalha de Honra do Governo E.U.A. Além disso, um dos cruzadores encouraçado da marinha dos  E.U.A. foi batizado com seu nome. Portanto, não era possível que Byrd  fosse apenas um louco que tinha alucinações no Pólo Norte. 
O segredo da imortalidade 
Segundo o ex-agente da CIA, Virgil Amstrong, ele também revelou alguns elementos do diário secreto de Byrd: 
AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA armstrong
“O almirante descreve em detalhes que, nas cidades subterrâneas vivem as pessoas com traços delicados, que têm milhares de anos de vida, mas a idade não marca as suas características. Os habitantes de Agartha saberiam o segredo da imortalidade. Depois de considerar que elas tinham vivido o suficiente, eles são também aqueles que escolhem quando se aposentar da vida. As mulheres dão à luz apenas uma ou duas vezes durante sua vida, e a gestação dura apenas três meses. Dão nascimento em templos, nas bacias de água particulares. Os Partos ocorrem sem dor “.   
Guerras entre Lemúria (MU) e Atlântida. 
O diário de Byrd sobre Agartha não é o único relato que menciona sobre as cidades subterrâneas. Na época, havia muitos testemunhos sobre a vida sob a crosta terrestre. Existem outros documentos, gravuras, esculturas e até mesmo muito antigos descrevendo Agartha. Diz-se que, debaixo da terra, de todo o mundo existem cerca de 100 cidades, das quais a maior é Agartha. O Mundo subterrâneo seria conhecido como Shamballa. Os habitantes deste mundo, como sabemos a partir dos documentos, deixaram a superfície do mundo, 100.000 anos atrás, depois da catastrófica guerra entre atlantes e lemurianos, as duas grandes civilizações que dominaram a Terra naquele tempo. 
 
A Guerra estaria descrita em dois épicos da cultura hindu, o RAMAYANA e o MAHABHARATA. Após a guerra, graças às poderosas armas utilizadas, resultaria áreas como o deserto do Saara, Gobi, terrenos inóspitos da Austrália e E.U.A, lugares onde eram aglomerações de atlantes e lemurianos. 
 
A atmosfera na superfície era irrespirável, para os sobreviventes do conflito, então eles foram se retirando para o interior da terra e quem ficou na superfície do planeta começou a viver um processo de degeneração genética involutiva.
 
Segundo esta teoria, os povos da região seriam descendentes daqueles que se recusaram a se aposentar em cidades subterrâneas e, entretanto, ao ficarem na superfície tornaram-se selvagens.
AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA mandala shambala
Uma mandala tibetana representando o reino subterrâneo de Agartha
A teoria atual da terra oca, defende o seguinte:
AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA teoria
Leornard Euler, um gênio matemático do século 18 deduziu que a Terra era oca, que continha um sol central e que estava habitada. A Terra possui um “Sol” interno, três pontos onde a gravidade é zero e duas enormes aberturas nos pólos que interligam a superfície interna e externa.
 
A explicação para esses fenômenos é relativamente simples de se entender: o movimento de rotação do planeta arremessa a sua  massa para longe do centro, da mesma forma que o giro de uma máquina de lavar arremessa as roupas para os lados deixando o seu centro oco.
 
Uma comparação melhor é a de um motociclista em um “globo da morte”: a rotação impede que ele caia mesmo quando está de cabeça para baixo. A única diferença é que no globo da morte o motociclista é quem está girando e não o globo.
 
Quando a Terra estava sendo formada, e os seus componentes estavam em estado líquido, os materiais mais pesados foram se concentrando no centro, enquanto que a rotação manteve os materiais mais leves distantes do mesmo. A medida em que o planeta foi se solidificando, criou-se um perfeito equilíbrio entre o movimento de rotação e a gravidade.
OS TRÊS PONTOS DE GRAVIDADE ZERO
Ao contrário do que se acredita, a Terra não possui apenas um ponto onde a gravidade é zero, mas sim três: o oficial, que fica no centro do planeta; o que localiza-se a aproximadamente 640 Km abaixo da superfície; e o que localiza-se a aproximadamente 2.000 Km. Isso se deve ao fato de que a enorme velocidade de rotação da Terra, que no equador é de 465 m/s, atua na direção oposta da atração gravitacional, algo que a maioria dos cientistas têm simplesmente ignorado até hoje.
 
As aberturas nos pólos se devem ao fato de a velocidade de rotação nesses locais ser muito baixa. Sem rotação, a ação da gravidade é muito mais forte e, dessa forma, qualquer massa colocada nesses pontos seria atraída para baixo e para os lados (veja a figura 1). À latitude de 70º a Terra começa a se curvar para formar as enormes aberturas polares que medem aproximadamente 2.000 Km. Se houvesse apenas a rotação da Terra em torno do seu eixo, as aberturas se localizariam à 90º, exatamente nos pólos geográficos. Contudo, outros movimentos de rotação, como o da elipse em torno do Sol, fizeram com que elas se formassem 20º mais distante. É por isso que os pólos geográficos e magnéticos não coincidem. Quando exploradores que estão buscando o pólo Norte ou o pólo Sul chegam à latitude de 70º e a bússola deles aponta pra baixo, ele pensam que estão no pólo magnético, mas não estão. Na verdade, as bússolas estão sob o efeito do anel magnético que cerca as entradas polares, veja a figura abaixo.  
AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA magnetismoterra
Cidades subterrâneas. 
Mas, de acordo com documentos secretos, estas seriam as cidades mais poderosas do mundo intraterreno: Poseid – o primeiro refúgio dos Atlântes, com a entrada no estado brasileiro do Mato Grosso, com população de 1,3 milhões de habitantes; SHONSHE refúgio dos uigures, um ramo da raça lemurina, com a entrada através dos Himalayas, 3,5 milhão de habitantes; RAMA – perto de Jaipur, na Índia, 1 milhão de habitantes; SHINGWA – a fronteira entre a China e Mongólia, com 1,5 milhões de habitantes; Telos – perto de Monte Shasta, na Califórnia, com 1,5 milhões de habitantes. 
AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA shasta monte
Monte SHASTA, na Califórnia, EUA, com uma enorme Cloudship pairando sobre seu cume.
As cidades estão colocadas em profundidades variando entre 1,5 e 2 milhas abaixo da crosta terrestre. 
O que Armstrong diz: “Atlantes entendemos por telepatia e lemurianos falam uma língua – Maru – que é uma raiz comum do hebraico e do idioma sânscrito. Agora, as duas civilizações vivam em paz e harmonia. Eles são liderados por um Conselho Superior composto de 12 pessoas , 6 homens e 6 mulheres. As cidades são artificialmente iluminadas e tem uma atmosfera controlada, mais pura do que a da superfície. As aglomerações urbanas estão estruturada em vários níveis. Os moradores  se movem entre as cidades subterrâneas por meio de veículos de alta velocidade ( cerca de 3000 milhas por hora), que flutuam “. 
AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA montagem  25282 2529
PRINCIPAIS AUTORES QUE FALARAM 
 DOS REINOS SUBTERRÂNEOS
AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA francis bacon
Francis Bacon  
Francis Bacon,  na Nova Atlântida  fala-nos da Ilha Branca, Morada dos Bem-Aventurados, que teria existido na superfície terrestre mas cujo povo se transferiu para o Interior da Terra aquando da grande catástrofe diluviana há milhares de anos.
AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA more
Thomas Moore
Thomas Moore,  no seu livro Utopia  faz menção a uma região desconhecida com uma Sociedade altamente organizada e liderada pelo Rei Utopos, que bem pode ser o “Rei do Mundo” cuja morada é Shamballah;
Tommaso Campanella, no seu livro a Cidade do Sol aborda temas muito semelhantes aos referidos na Utopia de Thomas Moore;
AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA julio
Júlio Verne
Júlio Verne, o conhecido autor da Viagem ao Centro da Terra  também  fala-nos duma aventura vivida através de uma rede de túneis que levam a lugares desconhecidos no interior do Planeta onde existem espécies vegetais e animais que se julgavam extintos.
Bulwer Lytton, escreve em  “A Raça futura”  um romance entre um homem da superfície com uma entidade feminina dos mundos subterrâneos que lhe mostra como está organizada a sua Sociedade onde vive com um nível social, tecnológico e espiritual bastante avançada em relação a nós;
James Hilton, no livro Horizonte Perdido, fala-nos de uma região inóspita nos Himalaias que se denomina Shangri-Lá onde impera a harmonia dos seus habitantes que supostamente teriam descoberto há muito o “elixir da longa vida”…
AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA Helena P
Helena P. Blavatsky
Helena P. Blavatsky, a grande teosofista , escreve inúmeras obras nas quais   Ísis Sem Véu  e A Doutrina Secreta,  que falam de um lugar onde se encontram os Santos Sábios no Governo Oculto do Mundo.
Saint-Yves d´Alveydre,  na sua obra Missão da Índia  fala-nos minuciosamente de um reino de Agharta e todos os seus aspectos  hierárquicos, filosóficos, sociológicos, políticos e tecnológicos, duma grande Sociedade que se localiza no interior da Terra;
AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA ossendowski
Ferdinand Ossendowsk
Ferdinand Ossendowski, na sua obra sobre Animais, Homens e Deuses,  fala-nos das suas viagens pelo Oriente e dos relatos antigos relacionadas com os Mundos Subterrâneos e o enigma do Rei do Mundo e das suas profecias;
Alice Bailey, fala-nos de Shamballah, Lugar Sagrado no Centro do Mundo onde se situa um “Sol Central” (com 960 Km de diâmetro),  cuja luz origina as chamadas Auroras Boreais e Austrais através dos Polos, e não o Sol a 150 milhões de Km da Terra;
AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA Rene guenon 1925
René Guénon
René Guénon, em o Rei do Mundo, fala-nos das inúmeras tradições em todo o planeta que descrevem a existência de Agharta e de Shamballah, assim como das cavernas e túneis subterrâneos que se perdem nas profundezas da Terra, Gaia ou Urântia, como também é conhecida;
Mas foi Raymond Bernard, Nicholas Roerich e Alexandra David-Neel,  que deram o melhor contributo em prol da divulgação dos Mundos Subterrâneos e bem assim Henrique José de Souza (JHS), no seu livro O Verdadeiro Caminho da Iniciação, onde fala abertamente de um País Maravilhoso com suas 7 cidades no interior da Terra, conhecido por Agharta (AG – Fogo; HARTA – Coração) havendo outros dois reinos mais à superfície conhecidos por  Badagas e Duat.
AGHARTA - UM REINO INTRA - TERRENO EM NOSSO PLANETA Shamballa
Estes debates em torno das impressões de Byrd garantem a munição necessária à sobrevivência das teorias de Giannini e Palmer, que acreditam haver nos Pólos uma redução de nível, a qual constitui uma imensa fenda que atravessa o eixo da Terra, de um pólo a outro. De uma forma ou de outra, este enigma tem fascinado a mente do Homem desde tempos imemoriais, nas antigas crenças, mundos ocultos sob a superfície da Terra sempre tiveram destaque. 
Budistas da Ásia central acreditavam num Reino Intra Terreno, um labirinto subterrâneo que abrigava populações de continentes extintos. Ali, seu líder sagrado, o “Rei do Mundo”, comandava esse centro de progresso intelectual, de razão desenvolvida e conhecia todas as forças da Terra, lia todas as almas, conhecia todos os destinos. 
Platão também abordou o tema , assim como os criadores do herói babilônico Gilgamesh, passando pelo mito de Orfeu, pelos faraós egípcios. Mitos, teorias e clássicos da literatura mantêm vivo até hoje o interesse por este tema sedutor.

Vídeo: ennis39